Looking For Influence Of The Chromosome Number, Ploidy Level And
nuclear 2c Value On The In Vitro Response In Passiflora Genus

Nome: Cristiana Torres Leite
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 31/08/2016
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Marcia Flores da Silva Ferreira Co-orientador
Milene Miranda Praça Fontes Orientador
Wellington Ronildo Clarindo Co-orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Elias Terra Werner Examinador Externo
Fernanda Aparecida Ferrari Soares Examinador Externo
Milene Miranda Praça Fontes Orientador
Tatiana Tavares Carrijo Examinador Interno

Resumo: Assim como para outros taxa, diferente respostas morfogênicas in vitro
(organogênese direta / indireta ou embriogênese) foram relatadas para as
espécies de Passiflora, utilizando as mesmas condições ambientais in vitro. O
número de cromossomos distintos entre algumas espécies do gênero
Passiflora tem sido apontado como um possível fator genético relacionado com
as diferentes respostas in vitro. Com base nesta hipótese, o presente estudo
teve como objetivo avaliar as respostas in vitro de espécies de Passiflora que
exibem diferentes números cromossômicos, níveis de ploidia e conteúdo de
DNA nuclear para responder a seguinte pergunta: estes aspectos genômicos
influenciam à resposta in vitro? Para isso, embriões zigóticos maduros (MZE)
de cinco espécies, pertencentes a quatro subgêneros de Passiflora, foram
inoculados em meio MS suplementado com 4.4 μM de benzilaminopurina
(BAP) e nove concentrações de 2,4-ácido diclorofenoxiacético (4.53 - 144.96
μM 2,4-D). Corroborando com os estudos anteriores, diferentes respostas
morfogênicas foram observadas sob as mesmas condições in vitro. Apenas
calos friáveis (FC) foram obtidos a partir MZE de Passiflora coriacea Juss (2n =
12 cromossomos, 2C = 1,00 pg), Passiflora lindeniana TR & Planch (2n = 24,
2C = 2.42 pg) e Passiflora contracta Vitta (2n = 48 cromossomos, 2C = 4.78
pg). Plântulas foram recuperadas a partir de MZE de Passiflora foetida L. (2n =
20, 2C = 1.04 pg) e Passiflora miniata Vanderpl. (2n = 18, 2C = 3,40 pg) via
organogênese indireta e embriogênese, respectivamente. Como em outros
estudos, as plântulas foram regeneradas a partir de embriogênese somática
indireta somente para as espécies de Passiflora com 2n = 18 cromossomos (P.
12
miniata). Apesar do número de cromossomos e do nível de ploidia
relativamente mais baixo do que em outros taxa de Passiflora, o tamanho do
genoma nuclear das espécies com 2n = 18 é relativamente mais elevado.
Assim, as mudanças no cariótipo (poliploidia, hibridização e disploidia) que
amplamente ocorrem durante a evolução de Passiflora, provavelmente
resultaram em número de cópias distintas dos genes relacionados ao processo
morfogênico em plantas. Portanto, para o gênero Passiflora é importante olhar
simultaneamente algumas características genômicas para compreender as
respostas in vitro.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Alto Universitário, s/nº - Guararema, Alegre - ES | CEP 29500-000