Diversidade e estrutura genética em populações naturais de Anadenanthera peregrina no Espírito Santo

Resumo: A despeito da riqueza de espécies, ainda há muito pouco desenvolvimento para a produção em reflorestamento com espécies brasileiras nativas. Nesse contexto se inclui o angico, uma espécie nativa, leguminosa, isto é, com capacidade para fixar nitrogênio, adaptada a crescer em ambientes não muito favoráveis. O angico-vermelho (Anadenanthera peregrina (L.) Speg) é a espécie de angico com maior abrangência geográfica no Brasil e apresenta expressiva regeneração natural, ocorrendo indiferentemente em solos secos e úmidos; é tolerante a solos rasos, compactados, mal drenados e até encharcados, de textura média a argilosa. Apresenta cerne resistente, pesado, duro ao corte, bastante durável, mesmo quando exposta a agentes externos, apresentando veias e estrias harmoniosamente onduladas, que dão aspecto muito agradável à madeira e que oferece excelente superfície para envernizamento, servindo para construção civil e naval, produção de móveis, entre outros. Além disso, o angico também é utilizado na medicina popular, na produção de lenha e carvão e no curtimento de couro. Apesar do panorama anteriormente descrito, poucos trabalhos relacionados à conservação in situ desta espécie são encontrados na literatura, principalmente no que se refere a estudos que envolvam aspectos genéticos em populações naturais e a identificação e marcação de árvores matrizes de A. peregrina.
Seguramente, informações sobre a diversidade e/ou estrutura genética são extremamente importantes em programas de conservação e melhoramento de espécies. A quantidade de diferenciação genética entre populações pode também fornecer dados para o planejamento de ações tais como reforço da variabilidade das populações atuais, reintrodução ou manutenção de coleções ex-situ ou coleções de sementes, aumentando assim, a base genética da população ou identificando materiais elite para um programa de melhoramento. Assim, estudos de pré melhoramento podem ser pensados como um passo inicial que propiciarão que as pesquisas em silvicultura sejam muito mais produtivas e econômicas se realizadas em materiais geneticamente selecionados. Isso se torna ainda mais relevante quando se considera o fato de que as pesquisas florestais demandam uma maior quantidade de tempo.

Data de início: 2015-08-03
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Maressa Albuquerque Cortelete
Coordenador FABIO DEMOLINARI DE MIRANDA
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Alto Universitário, s/nº - Guararema, Alegre - ES | CEP 29500-000